Tecnología y personas. Obligadas a entenderse. ¿Conoces la TEORIA DEL VALLE INQUIETANTE?

Version: Spanish, English, Portuguese


Los avances en robótica, inteligencia artificial, aprendizaje automático y las muchas noticias que nos llegan al respecto del impacto que todo esto va a tener en la forma que tenemos de realizar nuestros trabajos y como ellos va a afectar a la sociedad en general, está siendo objeto de debate en muchos foros. La tecnología avanza a gran velocidad, eso es un hecho innegable, pero ¿estamos preparados los seres humanos para convivir con este contexto? ¿están preparados nuestros empleados? ¿está preparados nuestros clientes? ¿Está preparado el consumidor?

Una teoría en el campo de la robótica sostiene que a medida que los “robots” se acercan a la apariencia de un ser humano real, la respuesta del ser humano será de aceptación, pero llega un momento en el que la respuesta emocional se vuelve negativa  hasta el punto de producirse un fuerte rechazo. Si el “robot” se fabrica de forma que es casi indistinguible a un ser humano verdadero, la respuesta vuelve a ser positiva: Este bache es denominado "el valle inquietante". No gestionar bien este “valle” puede llegar a tener unos resultados desastrosos. Un claro ejemplo de este hecho lo vimos en el cortometraje "Tin Toy" (1988) de Pixar, en el cual la audiencia tuvo una reacción fuertemente negativa al personaje del bebé, porque había sido hecho "demasiado" parecido a un bebé real, pero no lo suficiente. Interesante ¿verdad?.

Aun no se tienen muchos datos al respecto de esa convivencia hombre-máquina, el tiempo nos los dirá. Lo que está claro es que no podemos luchar contra un fenómeno que ha llegado para quedarse. Por mucho que avance la tecnología, siempre serán necesarias las personas para dotar de esa componente emocional tan importante. Las tecnologías no van a  desaparecer, el gran desafío será saber convivir con ella, no posicionarse en los extremos y saber moverse en los grises. La máquina no sustituirá al hombre, convivencia, hibridación, maridaje, armonía, equilibrio, …dependerá de nosotros empresas y particulares el que nos haga la vida más fácil o nos la dificulte. YO OPTO POR LA PRIMERA ¿Y TU?.


Technology and people. Forced to understand each other

Do you know the UNCANNY VALLEY THEORY?

The advances in robotics, artificial intelligence, machine learning and the bunch of news that come to us about the impact that all this will have on the way we do our job and how they will affect society in general, is being subject of public debate in many forums. That technology advances at high speed, is an undeniable fact, but are we prepared to live with this context? Are our employees ready? Are our clients ready? Is the consumer prepared?

A theory in the field of robotics holds that as the "robots" approach the appearance of a real human being, the response of the human being will be of acceptance, but there comes a time when the emotional response becomes negative till the point of a strong rejection. If the "robot" is made in a way that is almost indistinguishable from a real human being, the response becomes positive again: This pothole is called "the uncanny valley". Not managing this "valley" well can have disastrous results. A clear example of this fact was seen in the short film "Tin Toy" (1988) of Pixar, in which the audience had a strongly negative reaction to the character of the baby, because it had been made "too" similar to a real baby, but not enough. Interesting, isn´t it?

We still do not have information enough about this man-machine coexistence, time will tell us. What is clear is that we can not fight against a phenomenon that has come to stay. No matter how much technology advances, people will always be needed to provide this important emotional component. The technologies are not going to disappear, the great challenge will be to know how to live with it, avoiding to be at the extremes and learning how to move in the grays. The machine will not replace the human being, coexistence, hybridization, marriage, harmony, balance, ... it will depend on us and our companies to choose between making our life easier or harder. I CHOOSE THE FIRST ONE, WHAT ABOUT YOU?


 

Tecnologia e pessoas. Forçados a se entenderem.

Você conhece a TEORIA DO “UNCANNY VALLEY”?

Os avanços em robótica, inteligência artificial, machine learning e as notícias que nos chegam sobre o impacto que tudo isso terá na maneira como fazemos nosso trabalho e como afetarão a sociedade em geral, estão sendo assunto de debate público em muitos fóruns. Que a tecnologia avança a grande velocidade é um fato inegável, mas estamos preparados para conviver com esse contexto? Os nossos colaboradores estão prontos? Os nossos clientes estão prontos? E o consumidor, está preparado?

Uma teoria no campo da robótica sustenta que à medida que os "robôs" se aproximam a aparência de um ser humano real, a resposta do ser humano será de aceitação, mas chega um momento em que a resposta emocional se torna negativa até o ponto duma forte rejeição. Se o "robô" é feito de uma maneira quase indistinguível a um ser humano real, a resposta torna-se positiva novamente: esse buraco é chamado de "uncanny valley". Não gerenciar bem esse "valley" pode ter resultados desastrosos. Um exemplo claro desse fato foi visto no curta-metragem "Tin Toy" (1988), da Pixar, no qual o público teve uma reação fortemente negativa ao caráter do bebê, porque ele havia se tornado "muito" semelhante a um real, mas não o suficiente. Interessante, não é?

Nós ainda não temos informações suficientes sobre esta coexistência homem-máquina, o tempo nos dirá. O que está claro é que não podemos lutar contra um fenômeno que veio para ficar. Não importa o quanto a tecnologia avance, as pessoas sempre serão necessárias para fornecer esse importante componente emocional. As tecnologias não vão desaparecer, o grande desafio será saber conviver com isso, evitando estar nos extremos e aprendendo a se movimentar nos cinzentos. A máquina não substituirá o ser humano, a coexistência, a hibridização, o casamento, a harmonia, o equilíbrio ... dependerá de nós e das nossas empresas escolher entre tornar a nossa vida mais fácil ou mais difícil. ESCOLHO O PRIMEIRO, E VOCÊ?

Raquel SerradillaComment